A COESÃO DO INCOERENTE

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

| | |
Nem sei mais quanto tempo faz que não que eu não paro para escrever.
E também, escrever o que? Tudo caminha dentro dos conformes da vida moderna e em total sintonia com o binômio casa-trabalho, trabalho-casa.
Agenda cheia de atividades rotineiras, um marasmo total, nada de especial.
Nada que me cause uma emoção, uma explosão, uma dúvida, uma inquietude de pensamento, que me provoque, me instigue....
E agora, me vejo na mais perfeita cena da típica adolescente em crise existencial.
Altas horas da madrugada e cá estou eu , jogada na cama, escrevendo com o caderno no colo e o lápis na mão. No papel, palavras jogadas e rabiscadas vão fluindo, se unindo e formado um texto ora coeso, ora incoerente.
E a vida lá é coerente?

=)

2 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Tatha,

Se a vida é coerente, eu, como cidadão, tenho minha resposta, mas o poeta diz que não. E o poeta lá é coerente?

Um pessoa como você, não precisa de coerência, nem de coesão.

Suas palavras brilham!

Um beijo!
Alcides

PS. Um mês!? Já estava com saudade.

_TaTHa_ disse...

Alcides!!!!

Estava com saudade
Tanto de escrever, como ler.
Há um bom tempo que não visito os blogs, que não leio nada. Escrever então? Passou longe...
Fases da vida...
Até Picasso teve sua fase azul e fase rosa, porque eu que sou uma mera mortal não posso ter um minuto sem nexo, não é mesmo.

Bjo gde
=)