ERA UM MUSEU?

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

| | |
Era uma sala grandiosa com pouca luminosidade. A construção aparentava ser muito antiga, com traços arquitetônicos clássicos e luxuosos. Nobreza e requinte eram transmitidos pelas paredes em tom bege; pelo acabamento em gesso trabalhado, recoberto por uma fina pasta dourada e pela pomposa escadaria em madeira de lei, que levaria ao andar superior daquele palacete.

Ele me tomou pelas mãos, acolheu-me confortavelmente entre seus braços e subimos.

Ao final das escadarias, um salão nobre onde estavam harmonicamente expostas peças de grandes artistas: Da Vinci, Monet, Manet, Declacroix, Michelangelo, Rembrandt, Velásquez, Caravaggio, Renoir, Van Gogh, Picasso, Miró, Dalí...

Estava muito frio, a tempestade de neve da noite anterior havia coberto toda a paisagem. E da janela avistava a paisagem branca e gélida.

Novamente, ele segura docemente minhas mãos, chama minha atenção para as obras e discursa com segurança sobre a história e os detalhes de cada quadro, cada escultura

Nunca tinha visto aquele lugar antes.

Assustada, vejo-me em minha cama...



=)

2 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Tatha,

Me lembro de ter comentado aqui, mas acho que não foi concluído.

Eu disse mais ou menos assim:

Era um sonho?

Você continua linda em suas descrições.

Beijos!
Alcides

_TaTHa_ disse...

Obrigada, Alcides

Penso que essa é uma caracteristica que nasceu naturalmente nos meus textos.
Engraçado isso...
Quando estuva Literatura no colégio, Realismo era a escola que eu mais detestava. Achava as obras densas, cansativas, detalhistas, narrativa lenta, monotona. Lê-las era um martírio. Hoje cá estou eu descrevendo os meus cenários nos mínimos.
Maturidade talvez... os anos vão passando e aprendemos a valorizar as coisas que não víamos/compreendíamos.
Hoje, ao meu ver, os detalhes enriquecem e me transportam. Parece que sinto o ambiente...

Loura de escritor metido a besta isso...rs.


=)