permitir-se

sexta-feira, 16 de abril de 2010

| | |
Às vezes eu preciso me permitir. É preciso se permitir.
Se saber. Se saber - de saber de si.
Às vezes eu queria cair no mundo. Utilizar as minhas asas. Ser livre. Ser feliz. Decidir por mim. Morar sozinha, usar meu dinheiro para o que bem entender.
Me sinto como numa caixa muitas vezes - e de novo!
Parece que as coisas dependem mesmo de mim.
Parece que as coisas se tornam um ciclo. Ou um circulo - vicioso.
Parece que as coisas sao randomicas.
Eu sou cheia de regras. Eu não me permito experimentar. Viver. Sentir. Nada que não esteja dentro da caixa. Dos meus padroes.
Padroes tolos. Como e quantas vezes eu quis sair deles! Mas quando penso nisso, tudo parece inconsequencia.
Como a vida para as minhas amigas parece simples! E como a minha tem sempre esse monte de "se"...!" Se" dos infernos! Como eu queria viver sem eles!
Algumas vidas parece que sempre correm num fluxo natural. Mas a minha não. A minha vida é como um solo pedregoso: vc precisa sempre ir pisando com cautela. Você tb pode se surpreender com um precipicio logo adiante. O ceu é maravilhoso, as arvores tb. Mas se vc se maravilhar demais com essas divindades, pode pisar em falso, torcer o pé - ou ateh perder o juizo.
Porque comigo é assim: é de perder o juizo. Porque enquanto vc se vislumbra com as divindades, eu mesma não sei bem onde estou e nem para que lado eu quero ir. Caminhar comigo é assim: é estar disposto a correr riscos o tempo todo - e a qualquer momento. Querer caminhar comigo é desejar colocar-se em risco. Eu sou uma trilha. Aquela que vc nunca fez, aquela que vc não conhece e não sabe sequer onde vai dar.
Eu sou exatamente aquela trilha power, que exige muito preparo fisico, persistencia, destemor, força e equilibrio para percorrer.
Do contrario do que muitos pensam ( e é o contrario do que comunico às pessoas), eu não me apego a nada, não me prendo a nada e sou extremamente vulneravel.
Quando se pensa que estou cativa, significa que ainda há muito o que cativar.
Acho que sou selvagem (no sentido de pertencer à selva). Eu sou eu. Assim. E praticamente indomavel.
Sim, eu me calo. Mas é preciso saber que vc não venceu. Eu me calo apenas para manter a social. Nada facil.
Uma rosa cheia de espinhos, talvez.
E se quiser me levar consigo, tem que levar o talo inteirinho tb.
Hoje eu não estou com vontade de fazer nada. Mas estou cheia de compromissos.
Tente me levar.

3 comentários:

_TaTHa_ disse...

Creezy, kerida

A vida é ciclica sim, são randomicas e não é por acaso.
E não PARECE q as coisas dependem de você, elas DEPENDEM SOMENTE DE VOCE.
VOCE quem escreve a sua historia.
E pense fora da caixa sim, faz bem.

=)

A Palavra Mágica disse...

Cris,

Este seu texto "Barroco", me fez lembrar dos tempos da faculdade. Mas hoje não vou dizer nada. Serei apenas
uma orelha.

Beijos!
Alcides

fabinho disse...

Eu diria que permitir-se é deixar de procurar uma razão para o que queremos ou sentimos.
Razão é razão e emoção é emoção. Uma coisa não explica a outra.
Permitir-se sentir e fazer. Sem precisar se explicar.
beijos