A VISITA AO SAFARI

quarta-feira, 20 de maio de 2009

| | |
Carlinha é uma menina muito esperta e ainda está descobrindo o mundo. Com apenas 5 anos, tudo quer saber, tudo pergunta, tudo investiga. Muito inteligente, é destaque entre os demais coleguinhas de classe, que a tem como exemplo. E em sala de aula, sempre os ajuda com as atividades.

Seus pais, vendo a curiosidade latente da pequenina, estimulam e instigam essa sede por conhecimento: dão-lhe livros, levam-na ao zoológico, museu, fazem viagens, conhecem legares diferentes, contam-lhe a história de cada lugar, de cada povo, de cada construção. Em casa, rodeada por adultos, Carlinha se comporta como uma verdadeira mocinha. Ela é o orgulho dos pais: exemplo de filha, de aluna.

Em um belo domingo de outono, nenhuma nuvem no céu, apenas brilho radiante do sol. A família resolve fazer um piquenique e um safári, para que a menina possa ter mais contato com a natureza e conhecer os animais em seu habitat.

Para o piquenique a mamãe preparou um delicioso lanche com presunto e queijo, chocolate quente, suco de laranja, frutas e a sua especialidade: rocambole com geléia de morango. Todos se reuniram em volta da toalha xadrez, sentaram-se na grama, fizeram o desjejum, em seguida saíram animados para a aventura.

Antes de subir no jipe que os levariam ao passeio, os pais orientaram a pequena.

- Carlinha, meu bem, não coloque a mãozinha nos bichinhos, eles tem medo de você e podem te morder e te machucar. Por isso, quando descermos do carro, fique junto de nós e do titio (referindo-se ao guia que os acompanharia).

Obediente, ela apenas sinalizou positivamente com a cabeça.

Seguiram o passeio.

Carlinha estava encantada, não sabia o que olhar primeiro. Apontava e comentava todos os detalhes com a sua mãe:

- Mamãe a arara... viu... que linda ela voando.

- E aquele bicho lá com o bico amarelo como chama? Que lindo! O que ele faz? Para que ele serve?

- Querida, aquele é o tucano, uma ave típica das florestas da América do Sul. Realmente é muito bonito. Veja o bico dele como parece de plástico. E é bem forte. Ele se alimenta de frutinhas e de alguns bichinhos.

- E esse outro aqui perto de nós, mãe! Olha ele na árvore, ele vai voar?

Atenciosa, a mãe responde sorrindo à observação da garotinha:

- Esse é o mico-leão... rs. Um macaquinho bem esperto e muito ágil. Ele pula de árvore em árvore, corre entre os galhos. O rabo comprido dá equilíbrio para os saltos. De Ele já está em extinção, existem bem poucos na natureza e se não cuidarmos, logo ele não existirá mais.

Em uma savana, o carro para e os turistas descem do carro, se refrescam no lago, lavando o rosto, molhando as mãos e abastecendo os cantis com a água límpida e cristalina.

Não muito distante dali, um bando de zebras passeava e ao longe avistava-se algumas girafas se alimentando.

Carlinha observava atentamente cada detalhe. Movida pela curiosidade, lentamente foi se afastando dos pais. Ela avistara um pequeno leão que nascera no safári há apenas algumas semanas. A mãe do filhote não estava por perto e a garotinha ficou fascinada pelo pequeno peludo que caminhava lentamente, até um pouco desengonçado, em busca da mamãe leoa.

Aos poucos, ela foi chegando cada vez mais perto do pequeno leão. Sabia que a qualquer momento, o leãozinho poderia avançar, mas ela foi passo a passo se achegando ao felino. O animal exerce um encanto fascinante. Peludo, redondo, muito se assemelha a um ursinho de pelúcia, mas nesta versão, ele anda, corre, come.

Ele se deita próximo ao lago e a menina chega por trás e acaricia-o. De repente o bote: ele se contorce e lhe dá uma bela patada.

A garota, assustada, sai chorando, com o bracinho ferido.
Os pais se assustam ao ver aquilo. Rapidamente a mãe apanhou a menina em seus braços, correu para o jipe e junto com o guia, fez curativos.

Mais calma e ainda no colo da mãe, a conversa:

- Carlinha, você sabia que não deveria mexer nos bichos selvagens, não é mesmo? A mamãe já tinha lhe falado. Eles são imprevisíveis.

Cabisbaixa, ela apenas movimentava a cabeça para cima e para baixo

- Minha filha, você sabia que poderia se machucar e mesmo assim foi até lá perturbar o leãozinho. Ele se assustou com você e como defesa, ele avançou.

- Mas mãe, eu só queria vê-lo. Ele é tão fofinho. É igual o Ted.

- Querida, o Ted é o seu ursinho e ele fica na sua cama. Esse leãozinho mora aqui no safári e é selvagem. Você sabia de todas as conseqüências e mesmo assim foi lá perturbar o passeio dele.

- Desculpa mamãe, desculpas

- Está bem, meu anjo, não chore mais. Está tudo bem. Vamos pra casa agora.


=)

8 comentários:

_TaTHa_ disse...

De volta à narrativa...rs
Só não estou lá muito contente com o título. Pensei em algo mais chamtivo, que tivesse um approuch mais cativante, mas as palavras me fugiram.
Questionei em colocar uma característa da personagem principal, também na me agradou...
Por último pensem em "criança teimosa e xereta", que ao meu ver, ficou muito tachativo, descartei.
Enfim... cá está o texto...rs
Uma narrativa leve, divertida, linguagem simples, direta e infantil.

=)

_TaTHa_ disse...

AFF! Onde já se viu... a autora que comenta seu próprio texto...
É o cúmolo do egocentrismo.
Mas juro que não foi por mal.

=)

Anônimo disse...

Carlinha deve ser uma graca de menina! No auge dos 5 anos, buscando querer saber o porque de tudo, curiosa, atenta, observadora...
Ao msm tempo, numa fase que precisa verificar com suas proprias maos aquilo que tem a sua volta... nao vale apenas olhar, ou ouvir as orientacoes na mae!... precisa tocar...
Entende as regras, mas por alguns segundos de encantamento, nao viu mais nada na sua frente e esqueceu tudo o que deveria seguir ensinada pela mae...
Porem, fica a sabedoria materna pra lidar com a situacao sem causar maior trauma.. um bom curativo, um beijinho, uma explicacao, um colo..
Carlinha pode ter tido a marca fisica da patinha do leao em seu braco, mas daqui a pouco cicatriza e isso fara parte apenas de sua historia!!!

Creezy disse...

Bacana Tata! muito bom o estilo da narrativa. simples, gosotosa de ler e com moral da historia. praticamente uma fabula! RSRS
mandou bem!

beijos!!

Creezy disse...

Bacana Tata! muito bom o estilo da narrativa. simples, gosotosa de ler e com moral da historia. praticamente uma fabula! RSRS
mandou bem!

beijos!!

Creezy disse...

Bacana Tata! muito bom o estilo da narrativa. simples, gosotosa de ler e com moral da historia. praticamente uma fabula! RSRS
mandou bem!

beijos!!

A Palavra Mágica disse...

Tatha,

A Carlinha tinha a mãe por perto. De qualquer modo ela aprendeu que, mesmo sendo filhote, era um leão.

Eu acho que ela vai brincar de novo, só que da próxima vez ela irá cativar o animalzinho ou, pelo menos, saberá se defender.

"Carlinha é uma menina muito esperta e ainda está descobrindo o mundo."

Lindo seu texto!

Beijos!
Alcides

_TaTHa_ disse...

Alcides

Espero que ela aprenda a se defender. E não seja mais tão xereta...rs

=)